Eles estão em 2019

Eles estão em 2019

Nós não. Nós acreditamos em uma boa campanha na Libertadores. Esperávamos pelo menos a final da Copa do Brasil.

Só que eles não. Parece-me que as pessoas envolvidas com o Flamengo 2018 estão mais preocupadas com seus objetivos pessoais e suas particularidades. Não sei se Barbieri perdeu o vestiário, incomodou alguém lá dentro ou só não fazia parte do grupo de Whats App. O que eu sei é que a parcela de culpa dele é a menor.

Todos sabem que esse elenco tem talento e toda estrutura para trabalhar e brigar por qualquer título na América do Sul. E por que constantemente eles decepcionam? Por que empatar com o Bahia, num jogo onde claramente o time adversário era inferior?

Tudo tem sua taxa de sorte e azar, mas e a parte do treinamento, competência e principalmente, vontade? Basta assistir Cuéllar jogando quinze minutos e percebe-se o meu ponto. Ele não é perfeito, ele erra e tem suas deficiências. Mas, o que esse cara entrega é o MÍNIMO que um jogador deve deixar em campo. Se todos tivessem a mesma atitude, alguns resultados seriam diferentes.
Outro que justifica minhas linhas é W. Arão. Quem escuta nosso podcast sabe que não gosto do futebol dele. Não sei quais são os reais motivos de sua melhora, mas é inegável que HOUVE uma melhora. Por que E. Ribeiro não consegue entregar o mesmo tipo de resultado? Réver? Pará?

Se Dorival Jr tiver algum sucesso, seu mérito será apenas conscientizar e motivar aqueles bonecos dos benefícios que o coletivo pode trazer ao privado. É perceptível o desinteresse, falta de motivação e aquele “algo a mais” que times campeões mostram.

O Flamengo 2018 ainda está na disputa do Campeonato Brasileiro. É necessário treinamento, organização e a utilização das melhores peças. Mais fácil esperar bons momentos de Lincoln e Uribe do que do H. Dourado. Trauco pode ajudar mais do que Renê. Pará e Rodinei, bom… Aí, fica difícil né?

Diego, E. Ribeiro e Paquetá podem e DEVEM jogar mais. Se o mínimo for feito, as redes sociais serem deixadas de lado e o foco for jogo a jogo, explorando nossos pontos fortes, é possível.
Mas, se o interesse for apenas renovação de contrato, ida ao exterior, férias em família na Disney e convocações para seleção brasileira baseadas em lobby e não em futebol, aí todos devemos pensar em 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *