Eficiência x Eficácia

Fala, galera… Saudações rubro negras! Vamos para mais um “O Bardo Rubro Negro”? Sou o André Zotês e vambora refletir sobre esta queda anunciada…

 

Eficiência x Eficácia

Aproveitando que tenho estudado algo sobre administração, vamos falar um pouco sobre isso. Tomemos como exemplo, os dois clubes de maiores torcidas no país: o nosso Flamengo e o seu algoz na noite de ontem, o Corinthians…

Títulos do Flamengo neste século:

Estaduais – 2001, 2004, 2007, 2008, 2009, 2011, 2014 e 2017 (8) total

Nacionais – Copa dos Campeões 2001, Copa BR 2006 e 2013, Brasileiro 2009 (4) total

Títulos do Corinthians neste século:

Estaduais: 2001, 2003, 2009, 2013, 2017 e 2018 (6) total

Interestadual: Rio x SP 2002 (1) total

Nacionais: Série B 2008, Copa BR 2002 e 2009, Brasileiro 2005, 2011, 2015 e 2017 (7) total

Continentais: Libertadores 2012, Recopa Sul-Americana 2013 (2) total

Mundial: 2012 (1) total

Comparando ambos, somente neste século, conseguimos ver como o Flamengo fracassou no departamento de futebol. O Corinthians, com menos recursos, tornou-se um clube muito mais vencedor. É verdade que no começo dos anos 2000, o clube paulista tinha algum poderio financeiro, porém, meteu “os pés pelas mãos” e se endividou enormemente. Ainda sim, em campo, conseguiu construir uma identidade competitiva. Já, nós cariocas, de pobres, passamos a ser um exemplo de gestão financeira e de marketing, um modelo nacional a ser seguido. Todavia, não conseguimos reproduzir esses ganhos nos bastidores dentro das quatro linhas. Criou-se uma identidade apática e perdedora.

Esse abismo fica ainda mais evidente se destacarmos somente a “Era Bandeira”. Mostra-nos um time ineficiente, possuidor de meios que de alguma forma, não se interligam. Não há uma sinergia com a história do clube. E sem isso, é impossível ser eficaz, pois um time sem o verdadeiro DNA rubro negro estará fadado ao nada.

 

“Desânimo” (Álvares de Azevedo) – Um trecho, em homenagem ao Flamengo de outrora…

Estou agora triste. Há nesta vida
Páginas torvas que se não apagam,
Nódoas que não se lavam… se esquecê-las
De todo não é dado a quem padece…
Ao menos resta ao sonhador consolo
No imaginar dos sonhos de mancebo!

 

E pra gente fechar:

A gente não quer só dinheiro, a gente quer ser campeão, jogando bem e com raça!

Um abraço, obrigado por nos acompanhar nas redes sociais e até semana que vez!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *